Amhaj

Para que possais trilhar a senda luminosa é preciso responder ao Chamado. Isso significa vencerdes provas, nas quais terão confirmado o vosso elo com a verdade e com a luz. Todos os seres, um dia, penetram essa senda e alcançam a Morada Celestial. Porém, eons se passam até que o ciclo se consume. Não vos intimideis frente ao mal. Não desafieis o inimigo. Não retardeis vosso caminhar pelo clamor do passado. A poeira dos tempos será lavada do vosso ser; novas vestes trajareis, e grande será o júbilo da libertação. Porém, nessa senda pisareis sobre rosas e espinhos, e devereis aprender o mistério do Bem. É tempo de justiça. É tempo de graças. Magnífico poder, o Irmão Maior se aproxima. Silenciai vosso coração e acolhei o grande amor. Tendes a Nossa paz.

Hierarquia

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Iniciação no Passado, No Presente e no Futuro


O processo iniciático dá-se de acordo com a etapa evolutiva em curso. Com isso mudam-se as energias presentes nas Iniciações, seu modo de agir e sua repercussão. Pelo processo iniciático, a Hierarquia impulsiona os homens a penetrarem o lado oculto da vida. Por ele vão sendo conduzidos a maior acuidade em cada palavra e em cada pensamento que emitem. No entanto, o que no passado era conseguido por meio de prolongadas e graduais lapidações na personalidade, que tinham por base o fogo fricativo, hoje pode ser realizado rapidamente. Isso tornou-se possível devido à participação de fogos mais potentes desde as primeiras fases do processo iniciático: o fogo elétrico ou solar e o fogo cósmico.

O preparo para uma Iniciação acarreta nesta época aumento muito mais significativo na voltagem da energia disponível ao ser e o mesmo sucede, em graus mais elevados, nas ampliações de consciência vividas pela Hierarquia solar, pela Hierarquia planetária e pleos grupos que operam sob sua égide.Por isso não é mais possível um indivíduo, tendo alcançado certa etapa evolutiva, permanecer por muito tempo indefinido em relação à sua meta interior. Antes de o Sétimo Raio, energia que se caracteriza pelo ritmo, pela ordem e pela organização, penetrar mais profundamente a vida material da Terra, os cerimoniais iniciáticos careciam de concisão. Mas, a partir do final do século XIX, essa energia começou a agir de maneira mais efetiva nos níveis externos, permitindo simplificações.

As criptas e as salas ocultas dos templos dos mistérios deixam de ser requisito para a transcendência. A escuridão das pirâmides foi substituída pelo manto de silêncio e fé, qualidades imprescindíveis para que se cruzem certos portais interiores. A experiência de subsistir à reclusão, ao jejum, ao frio e às intempéries, bem como de desafiar as forças do próprio mundo psíquico e do mundo circundante, mostra-se desnecessária aos que consolidam em si a humildade e se fortalecem na entrega ao seu ser interior e supremo.

Com o amadurecimento da consciência humana,foram dispensadas as formalidades dos rituais iniciáticos, realçando-se a essência que os vitalizava. Todavia, nas Iniciações ainda é requerida a intermediação de consciências sublimes.

Saber da existência do processo iniciático, bem como das nuanças de cada uma de suas fases, é de ajuda aos que buscam servir e doar-se ao Plano Evolutivo. O fato de cultivarem essa busca é sinal de que as energias da alma e da mônada os estão levando a padrões energéticos mais sutis. De modo especial, esse conhecimento poderá ser-lhes benéfico nos momentos de prova, nos quais terão que confirmar sua adesão à lei evolutiva. É por meio das provas que irão assumindo gradativamente o controle da expressão dos seus corpos nos vários planos de consciência. O processo iniciático, antes composto de nove etapas, na atual transição planetária compõe-se de sete. No futuro, será completado em apenas cinco que, como as nove do passado, permitirão ao homem integrar-se por completo na vida cósmica.

Aspectos do processo iniciático da humanidade da superfície da Terra

Iniciações no passado (processo vigente até o início da atual transição planetária)

1) Primeira Iniciação:

O iniciado adquiria maior controle sobre os apetites e instintos do corpo físico, passando a espelhar, em sua atividade, as energias da alma; essa Iniciação foi simbolizada pelo nascimento de jesus.

2) Segunda Iniciação

Propiciava ao iniciado maior controle sobre a natureza emocional e sensitividade egoísta; preparava seus corpos externos para a Iniciação seguinte receber energias mais potentes. Foi simbolizada pelo batismo de Jesus (A Primeira e Segunda Iniciação também denominadas ‘’Iniciações do Umbral’’, por serem preparatórias para a Terceira).

3) Terceira Iniciação

A alma assumia o controle da personalidade e pela primeira vez se encontrava diante do Logos planetário; a vontade do ego humano dissolvia-se na da alma. Foi simbolizada pela transfiguração de Jesus diante dos três apóstolos.

4) Quarta Iniciação:

Certas estruturas do corpo causal eram rompidas por um ato de vontade do iniciado, e a síntese da energia da alma absorvida em um nível superior, o intuitivo. A consciência se aproximava, assim, dos níveis sublimes da manifestação planetária. Essa Iniciação revelava-lhe o mistério da cruz e o verdadeiro sentido, oculto do sacrifício. Foi simbolizada pela crucificação de Jesus.

5) Quinta Iniciação:

O iniciado atingia o grau de Adepto e era-lhe dada uma visão da realidade totalmente diversa da que tivera até então. Vislumbrava também as várias opções que teria na sua trajetória cósmica imediata.

6) Sexta Iniciação:

O iniciado dirigia-se ao caminho cósmico que deveria seguir. A Quinta e a Sexta Iniciação eram as ‘’Iniciações do Umbral’’ para ele, verdadeiro Mestre, assim como a Primeira e a Segunda o foram para o discípulo.

7) Sétima Iniciação:

O iniciado liberava-se totalmente do nível físico cósmico da manifestação planetária.

8) Oitava Iniciação:

Ao iniciado revelava-se o propósito de toda a atividade da vida planetária.

9) Nona Iniciação:

Ao iniciado revelava-se a natureza da existência. O contato com as Hierarquias de Sirius era consumado, e ele não mais teria de lidar com o ‘’mal cósmico’’ em nenhum grau de sua expressão.

Existem hoje sete graus iniciáticos, pelos quais o indivíduo parte do estado de homem comum e atinge a unificação com o seu mais profundo núcleo interior, o regente monádico. Nesta época, por ser um período de transição, o limiar entre as Iniciações pode deslocar-se, principalmente a partir da Quinta Iniciação, a depender da conjuntura passada, da presente e da futura do indivíduo e do grupo de mônadas ao qual pertence.

Iniciação no presente (processo vigente no decurso da atual transição planetária)

1) Primeira Iniciação:

O iniciando se reconhece como partícula de um grande corpo, um grupo interno, e vê a tarefa que lhe cabe cumprir, percebe a energia da Hierarquia que o rege, mas ainda não vislumbra a dimensão do trabalho que essa energia realiza no planeta. A alma adquire maior controle sobre as atividades dele no mundo externo.

2) Segunda Iniciação:

O iniciando contata e percebe mais claramente o seu grupo interno, encontra sua posição na sua Hierarquia e consegue divisar parte do propósito da existência planetária. Porém ainda não estabelece contato com o conjunto formado por todos os grupos internos. Esses grupos podem refletir-se até no plano etérico e em raras oportunidades até no plano físico.

3) Terceira Iniciação:

O iniciado vê e sintetiza em certo grau a atuação de diversas Hierarquias nos níveis internos; as diretrizes da tarefa do reino humano nos três níveis mais densos da existência lhe são reveladas, e ele é capaz de absorver o Raio que conduz os trabalhos dos grupos internos no plano mental.

4) Quarta Iniciação:

Dá ao iniciado a percepção clara da realidade monádica. A ele é transmitido o conhecimento de parte da meta do regente monádico. Sua consciência expande-se além do âmbito grupal, e principia a interagir com a unicidade cósmica presente na luz da mônada. Externamente é um período de intenso serviço ao planeta, sendo uma das fases em ele mais se doa à elevação dos níveis materiais.

5) Quinta Iniciação:

O iniciado cumpre sua última etapa no ‘’Caminho da Terra’’. O propósito logóico é por ele compreendido mais amplamente, e ao seu cumprimento dedica-se por inteiro.

6) Sexta Iniciação:

O iniciado ingressa no ‘’Caminho solar’’ e prepara-se para um contato mais estreito com a Fraternidade de Sirius (centro de uma infinidade de Hierarquias solares e planetárias). A Sexta e a Sétima Iniciação revelam-lhe sua posição na vida solar.

7) Sétima Iniciação:

O regente monádico realiza-se como Avatar; reencontra-se em sua Hierarquia solar e firma sua ligação com a vida de Sirius.

De um ponto de vista interno, a Primeira Iniciação marca o princípio de um alinhamento mais preciso dos núcleos de consciência, desde a mônada até a alma. Porém, seus efeitos fazem-se notar sobretudo no relacionamento da alma com a consciência do corpo físico-etérico. A energia monádica. Espelhada como luz da alma, permeia os três átomos permanentes e, nessa fase, de maneira especial o átomo permanente físico. Assim, a energia do nível físico-etérico entremeia-se com a de níveis mais sutis. A estimulação provinda da alma vai-se intensificando progressivamente no decorrer das duas Iniciações seguintes. Entre os átomos permanentes, o físico é o que tem a vibração mais lenta, sendo o mais materializado dos três; é o primeiro a entrar em ressonância com a luz da alma, quando então se põe a vibrar mais rapidamente. Aos poucos se transforma e se eleva até atingir os subníveis mais altos do nível físico, onde aguardará a completa absorção da sua essência no centro do ser.


A Segunda Iniciação é alcançada pela superação de embates, pois está relacionada ao nível astral terrestre. O caráter probatório dessa etapa é vivido com ênfase pelo iniciando, devido aos reflexos do processo no seu corpo astral, que por natureza tende a exacerbar reações. A harmonia e o equilíbrio são duas das metas dessa Iniciação, que pode ser vista como uma depuração aguda. Em geral leva mais de uma encarnação para se completar, porém em tempos de oportunidade como os de hoje , pode-se, numa só, vencer longo percurso, o que tem acontecido com freqüência. Quando a luz da alma emerge com maior potência e consegue permear os subníveis astrais, fazendo a substância desses subníveis entrar em sintonia com ela, advém grande crise, que se consuma na Segunda Iniciação, pois nela se estabelece a ressonância entre o átomo permanente astral e a energia da alma. Um iniciado de segundo grau relaciona-se com setores dos grupos internos inacessíveis aos de primeiro grau. Ele tem laços mais consolidados com a Hierarquia, contudo, só na Terceira Iniciação passará de filiado a membro. A alma exercita-se em sua capacidade de estimular o cumprimento do Plano Evolutivo no nível astral terrestre ao criar emanações puras sob a forma de sentimentos elevados. Esse exercício é conduzido por consciências maiores, supra-humanas, e não visam ao contentamento da alma.

Na Terceira Iniciação aperfeiçoa-se o alinhamento entre os núcleos do indivíduo no nível espiritual, no intuitivo e no causal (alinhamento que vinha sendo efetivado desde a Primeira Iniciação). O ego é então subjugado pela potência do espírito refletida no espelho interior da alma; a partir daí os corpos materiais são capazes de responder de maneira mais fiel ao que a alma lhes envia como impulso. Nessa Iniciação a personalidade funde-se definitivamente na alma. É um momento glorioso na vida do indivíduo, com reflexos marcantes na evolução de toda humanidade. Há íntima relação entre a Quinta, a terceira e a Primeira Iniciação, pois o alinhamento começado na Primeira consolida-se na Terceira e torna-se por fim canal de comunicação direta do núcleo espiritual com a consciência cerebral na Quinta Iniciação. Um fato importante destaca-se na atual transição planetária, prenunciando o futuro mecanismo das Iniciações: enquanto no passado apenas na Quarta Iniciação o átomo mental permanente era permeado por completo pela energia do espírito, na atual transição, por estar o núcleo causal trasladando-se para o nível intuitivo, esse átomo pode ser elevado e permeado pela energia monádica na Terceira Iniciação. O que antes sucedia na Terceira Iniciação com um núcleo mental situado na mente concreta (núcleo denominado nos textos esotéricos ‘’unidade mental’’), passa, assim a ocorrer com o próprio átomo mental permanente. Esse avanço é fruto da fusão dos planos de consciência e da sutilização de todo o planeta.

A Quarta Iniciação desvela o segredo da redenção (o que hoje se completa na Sexta). Nessa Quarta Iniciação, parte do corpo causal é dissolvida, e o fogo da mônada revela-se no nível anímico. A essência do corpo causal integra-se no corpo de luz, polarizado no nível espiritual, e enriquece esse corpo; essa fase pertence ao preparo para a absorção, pela mônada, de todos os núcleos inframonádicos. Intimamente ligada ao mistério do sacrifício, essa Iniciação permite à consciência acercar-se um pouco mais do mundo cósmico pela renúncia ao mundo anímico: a vida da alma e sua projeção nos três níveis do viver humano são absorvidas em uma existência superior; as energias que trabalham em horizontal unem-se às que do alto descem em vertical, formando uma cruz. A experiência do indivíduo nos planos materiais, até então consolidada pela alma, é transmutada pela mônada e rompe-se o véu que separava do nível espiritual a sua consciência.

Na Quinta Iniciação, atualmente,o fogo da mônada resplandece no âmago do corpo de luz, e ao ser é dado aprofundar seu contato com as Escolas Internas. Assim, a malha da ilusão terrestre é desfeita para o iniciado, e a realidade logóica lhe é desvelada. Percebe o propósito da existência planetária como chama que arde em seu interior e aprende a ‘’primeira sílaba’’ do som do Logos solar. Certas conquistas que no passado eram feitas na Sexta Iniciação dão-se agora na Quinta. Nesta época de transição, em que os portais da órbita planetária se abriram e se alinham com os do âmbito solar, muitos, ao alcançarem a Quinta Iniciação, já estão decidindo o seu destino cósmico e preparando-se para ir ao seu encontro. Essas mudanças no mecanismo das Iniciações tornam-se possíveis pelo fato de o Logos da Terra ter sido transmutado e vários seres e entidades extra-sistêmicas estarem na órbita do planeta.

Hoje, a Sexta e a Sétima Iniciação fundem em si o que antes era vivenciado na Sétima, na Oitava e na Nona Iniciação. Nessa etapa (Sexta e Sétima Iniciações), o homem libera-se do nível físico cósmico e rompe o contato com as forças obscuras que constituem a chamada irmandade das trevas; o seu caminho é então o da síntese no Regente-Avatar, o da vida divina, rumo à evolução cósmica superior.

Há, portanto as seguintes correspondências entre as fases do passado e as do presente:

Iniciações no presente                    Iniciações no passado

Primeira Iniciação               Primeira Iniciação e aspectos da Segunda

Segunda Iniciação              Segunda Iniciação e aspectos da Terceira

Terceira Iniciação             Terceira Iniciação e aspectos da Quarta

Quarta Iniciação                Quarta Iniciação e aspectos da Quinta

Quinta Iniciação                 Quinta Iniciação e aspectos da Sexta

Sexta Iniciação                   Sexta Iniciação e aspectos da Sétima e Oitava

Sétima Iniciação                 Aspectos da Sétima e da Oitava Iniciação
                                                  e Nona Iniciação


Outras mudanças no processo iniciático são também dignas de nota. No passado, mesmo a evolução sendo realizada em grupo, chegado o momento da Iniciação, cada homem, auxiliado por consciências mais avançadas, era colocado individualmente perante o Iniciador. Só depois seu conseguimento era compartilhado pela humanidade em geral. Na época atual, devido ao maior afluxo das energias provenientes de certas constelações em conjunção com as da Fraternidade de Sirius, atuando na Terra por intermédio das Escolas Internas em Vênus e no Sol e pela exteriorização do Sétimo Raio, quatro mudanças significativas foram introduzidas no processo iniciático: 1* -Foi sintetizado (de nove etapas passou a sete). 2* - Tornou-se capaz de difundir de modo mais amplo energias da vida imaterial na superfície da Terra. 3* - O acompanhamento e o preparo para as Iniciações, antes levados a cabo por guias externos, foi assumido também pela mônada. 4* - As Iniciações passaram a ocorrer em grupo. O grupo é colocado diante do Iniciador e este se revela a cada indivíduo conforme o nível de sua consciência. Cada qual dá o passo que lhe corresponde, e grande fluxo energético é vertido sobre todos. Equivale a um estado de graça, onde o progresso de um repercute no dos demais. Os efeitos dessas mudanças poderão ser percebidos com maior clareza à medida que o tempo avançar e o novo ciclo terrestre se tornar realidade concreta.

O processo iniciático do ciclo vindouro constará de cinco Iniciações, por meio das quais o homem cumprirá o propósito cósmico que lhe cabe com ente individual.

Iniciações no Futuro (processo que entrará em vigor após a atual transição planetária)

Obs: O ser humano não-iniciado terá atingido o nível de consciência correspondente à Primeira Iniciação do presente.

Iniciação A:

Corresponderá à Segunda e a parte da Terceira Iniciação atuais, fundidas e ascendidas.

Iniciação B:

Corresponderá a parte da Terceira e da Quarta Iniciação atuais, fundidas e ascendidas.

Iniciação C:

Corresponderá à Quarta e a da parte da Quinta Iniciação atuais, fundidas e ascendidas.

Iniciação D:

Corresponderá a parte da Quinta e da Sexta Iniciação atuais, fundidas e ascendidas.

Iniciação E:

Corresponderá a da Sexta e à Sétima Iniciação atuais, fundidas e ascendidas.

Tomando-se o ciclo passado do planeta como referência, apresenta-se a seguinte correlação:

Iniciações no ciclo futuro        Iniciações no ciclo passado

A                                                  Segunda e Terceira, ascendidas


B                                                  Quarta, ascendida


C                                                  Quinta e Sexta, ascendidas


D                                                  Sétima, ascendida


E                                                  Oitava e Nona, ascendidas

A fusão da Quinta e da Sexta Iniciação (do passado) foi prenunciada por Cristo quando, no momento da crucificação de Jesus, alcançou a Sexta e ingressou no processo de desenvolvimento da Sétima Iniciação. A Sétima Iniciação de Cristo consuma-se nesta transição planetária.

No ciclo futuro, a Terra estará purificada e rearmonizada, e o mal cósmico, em grande proporção, trasladado de sua órbita; ela se integrará na Confederação Intergalática, e as atuais fronteiras do círculo-não-passa terão sido expandidas; a energia emanada de Sirius estará ancorada na vida terrestre com maior potência, e o Espelho central Miz Tli Tlan, mais ativo. Dessa forma, a inter-relação entre as Iniciações nos diferentes ciclos do planeta é nada mais que referencial genérico, dado que não há termos exatos para comparações. Ainda assim, pode-se assinalar que na próxima etapa do planeta o grau equivalente à Primeira Iniciação terá sido alcançado pela humanidade com um todo. Fará parte da entrada do ser na encarnação física e não mais será considerada Iniciação. A Iniciação ‘’A’’ (primeira futura) será atingida prontamente, como fruto do despertar monádico, da incorporação mais profunda do novo código genético e da assimilação da lei evolutiva superior. Portanto, no ciclo vindouro a total integração do ser na vida cósmica, antes realizada em nove fases e nesta época em sete fases, será conseguida em cinco e até em menos tempo, dadas as condições mais sutis da Terra e a atuação das novas leis planetárias. Como as Iniciações incluem a aquisição do domínio das leis que regem os diversos níveis do universo manifestado, a reestruturação desses níveis (já em ato) permite e auxilia tais transformações.

Extraído do Glossário Esotérico

Download do glossário:  http://www.4shared.com/document/uClEzai4/1994-Glossrio_Esotrico.html?         

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens populares

Sites