Amhaj

Para que possais trilhar a senda luminosa é preciso responder ao Chamado. Isso significa vencerdes provas, nas quais terão confirmado o vosso elo com a verdade e com a luz. Todos os seres, um dia, penetram essa senda e alcançam a Morada Celestial. Porém, eons se passam até que o ciclo se consume. Não vos intimideis frente ao mal. Não desafieis o inimigo. Não retardeis vosso caminhar pelo clamor do passado. A poeira dos tempos será lavada do vosso ser; novas vestes trajareis, e grande será o júbilo da libertação. Porém, nessa senda pisareis sobre rosas e espinhos, e devereis aprender o mistério do Bem. É tempo de justiça. É tempo de graças. Magnífico poder, o Irmão Maior se aproxima. Silenciai vosso coração e acolhei o grande amor. Tendes a Nossa paz.

Hierarquia

domingo, 30 de outubro de 2011

Livro - O Visitante (O Caminho para Anu Tea)

A partir da percepção de uma presença interior – aqui denominada o visitante – gradualmente o autor foi conduzido ao contato com a consciência do centro intraterreno Anu Tea e com grupos internos que estimulam tanto a formação de redes de serviço na superfície da Terra quanto a elevação da vida planetária. Anu Tea, que tem a tarefa de transmitir a sabedoria universal e cósmica à humanidade, assinala por meio deste livro estágios a serem percorridos pelo ser à medida que se aproxime dos mistérios da existência cósmica. Trata de fatos básicos para os que reconhecem a necessidade de buscar contato com o próprio mundo subjetivo; porém, não se detém em tais fatos: conduz pouco a pouco o leitor a esferas de consciência mais elevadas e, numa linguagem acessível à mentalidade moderna, apresenta-lhe fundamentos para que reconheça a existência de grandes vertentes imateriais, os signos cósmicos.


Trechos extraídos deste livro:
págs. 16, 17, 24, 25 e 26.

(...) Os indivíduos subjugados por essas forças destrutivas reúnem-se em grupos de afins, que uma vez consolidados se tornam entidades. Há nações que, com o tempo, e dominadas por esses grupos, se transformaram em potentes entidades maléficas, passando a controlar a circulação de dinheiro e dos bens materiais, e a manter a opinião publica voltada para o desfrute, o conforto e a exploração em todos os sentidos.
O eu interior desses indivíduos permanece latente nos níveis profundos da vida, aguardando um novo ciclo de manifestação que lhe permita expressar-se e evoluir; pois esses seres não são guiados pela própria essência interna, como se vê.

Essas forças involutivas tomaram posse de facções desta civilização, principalmente as políticas e as religiosas, além de se introduzirem nos aglomerados industriais onde se concentram os grandes interesses econômicos. Elas hierarquizam-se numa verdadeira pirâmide de valores materialistas reconhecíveis pela sua negatividade. O ápice dessa pirâmide está ligado a entidades suprafísicas maléficas que, conscientes da própria obra destruidora, manejam os homens terrestres a partir do plano mental. Seus representantes na raça humana de hoje são os cínicos, os criminosos, os corruptos e os corruptores, sem falar dos ambiciosos e vaidosos; todos esses usam para suas metas dispersivas o poder do instinto sexual, o desejo e a ilusão dos menos preparados, dos fracos ou dos enfermos em diferentes graus.

O número de representantes dessas forças aumenta a cada dia, pois elas disseminam como os vírus epidêmicos. Alguns desses representantes são líderes posicionados em cargos elevados dos ramos da organização social da civilização de superfície. E, finalmente, a humanidade as serve sem perceber, como nos dizeres de Cristo: “... eles não sabem o que fazem”. A maioria desconhece-O e, até mesmo em comunidades ditas cristãs, iludida, presta culto a essas forças escusas acreditando a Ele se dirigir (..

 (...) Na época atual, os indivíduos estão diante de oportunidades ímpares; se forem inseguros, a vida ensina-lhes a crescer em fé; se autoritários, a vida leva-os a desenvolver a humildade; se guardam remorsos, a vida mostra-lhes a sublimidade do perdão; se forem inconstantes, a vida indica-lhes a paz da eternidade; se ambiciosos, a vida dá-lhes em gotas minúsculas o que poderiam receber em torrentes, para que aprendam a encontrar no pequeno a essência do Infinito.

Segundo Nicolas, enquanto o ser não se entrega ao centro interno da própria consciência, sua existência é repleta de conflitos. Todavia, quando compreende isso e se rende a esse centro, que é a própria fonte da paz, com que mais terá de se debater? Eis o ponto que deve ficar claro, pois nem todos se liberaram desses conflitos, embora já tenham compreendido e vivido experiências esclarecedoras nesse sentido.

Existem diferentes graus de luta: inicialmente o individuo a trava pela realização dos seus desejos e planos pessoais, geralmente tão obscuros que nem são examinadas as conseqüências negativas que possam provocar nos demais seres.
Outro grau de luta surge quando o indivíduo começa a ser tocado pela vida interior, pois a energia transformadora já encontra espaço para levá-lo á depuração de certos aspectos do ego. Nessa fase, normalmente o combate é travado nos níveis densos, pelas resistências pessoais á evolução - porém, a consciência ainda tende mais a aderir ás limitações impostas pela matéria do que a se entregar ao novo.

No estagio seguinte, uma maior parte do indivíduo está integrada á corrente evolutiva ascendente, e ele dedica-se a transcender suas resistências. Já não se opõe tanto ás transformações, não se queixa do que lhe é trazido, nem alimenta considerações sobre as possibilidades de estar em outra situação. Assume seu potencial de trabalho e realiza o que lhe é indicado.

Finalmente, chega a um estágio no qual dentro dele não existe mais luta alguma, e é nesse ponto que está selada a sua união com a Hierarquia. Está pronto para assumir tarefas maiores e pode ser uma luz mais intensa na noite terrena.

Mas o que vem a ser a Hierarquia?

Essa foi a pergunta que emergiu no meu ser, e que Nicolas amorosamente acolheu. Estava clara, em minha mente, a informação de que uma Hierarquia é um conjunto de consciências que, a partir de níveis profundos, conduz a vida planetária á consecução do seu propósito espiritual - informação manifestada pelo mesmo grupo interno que nos auxilia nesta fase, e com o qual Nicolas em íntima ligação.
Aprofundando essa idéia, Nicolas revelou-me, sem palavras, que a realidade está gravada no éter, e que os construtores desse éter imprimem nele padrões energéticos que podem ser captados por mais de um indivíduo. Assim sendo, do ponto de vista da Hierarquia, nenhuma obra tem autores; existem, isso sim, seres supraconscientes que transmitem os impulsos necessários a partir de níveis sutis do cosmos infinito, indicando o que deve ser compreendido, manifestado ou simplesmente criado na vida do universo, enquanto outros captam esses impulsos, de cujos desígnios são instrumentos de materialização.(...)


Áudios que ampliam este tema:


Contatos com Iberah e Anu Tea: Espiritualidade e cura: http://www.irdin.org.br/acervo/detalhes/3551







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens populares

Sites